top of page

Atendimento psicanalítico para pacientes LGBTQIA+

No meio LGBTQIA+ é comum ver pessoas receosas antes de buscar um psicanalistaou terapeuta de orientação psicanalítica. Os receios variam entre: o psicanalista buscarum motivo para a sexualidade do paciente (enquanto que para pacientesheterossexuais nunca é questionado o motivo); o psicanalista falar para um pacientegay ou uma paciente lésbica que a atração pelo mesmo sexo não é natural e por issoo/a paciente deve ter relações sexuais com o sexo oposto para confirmar se não gostamesmo; o psicanalista falar que a sexualidade do/a paciente é uma fase e que logo irápassar; o psicanalista relacionar a homossexualidade com um não amadurecimentosexual; o psicanalista correlacionar a sexualidade do paciente com um episódio deabuso sofrido na infância, entre outros (GLÓRIA, 2021).

Como podemos ver, há inúmeras formas de um psicanalista ser violento com umpaciente LGBTQIA+. Essas são apenas algumas violências que pacientes LGBTQIA+escutam em consultórios de psicólogos e psicanalistas. A Psicanálise se desenvolveuem um tempo em que não eram questionados sistemas sociais como patriarcado ecisheteronormatividade. O objeto de estudo de Freud era majoritariamente homens emulheres brancas, heterossexuais, de alto poder aquisitivo do final do século XIX einício do século XX. Engana-se quem pensa que as obras de Freud não tiveraminfluência da cultura de uma sociedade pautada na branquitude, no patriarcado e nacisheteronormatividade.

Em relação à homossexualidade, Freud inicia o texto “Três Ensaios sobre a Teoria daSexualidade” citando as “aberrações sexuais”, que correspondiam – entre outras – ahomens que se relacionavam com homens e mulheres que se relacionavam commulheres. O sujeito que tinha a escolha de objeto “normal”, era considerado“heterossexual”.

Ao tratar a Psicanálise como uma teoria puramente psicológica, corre-se o risco denegligenciar o sofrimento de pacientes que fazem parte de minorias sociais e, também,ignorar que as crenças e preconceitos dos psicanalistas podem influenciar na práticaclínica. A leitura das homossexualidades e das transexualidades como sexualidades eidentidades patológicas prejudica pacientes LGBTQIA+. Pacientes esses que, por maisque tentem se proteger, são constantemente alvo de violências, seja pela própriafamília ou pela sociedade. Não seria o consultório um lugar de acolhimento, livre dejulgamentos, em que o paciente poderá ser o seu “verdadeiro eu”, independentementeda sua orientação sexual e/ou identidade de gênero?

Assim, antes de encaixar o paciente em uma estrutura – seja neurótica, borderline,psicótica ou perversa – é importante escutá-lo na sua singularidade. Pessoasheterossexuais têm vivências distintas; por que então, ainda hoje, pacientes LGBTQIA+são vistos como uma “patologia” ou “problema” antes mesmo de “abrirem a boca”?

Por fim, fica o convite à reflexão a partir do trecho escrito pelo psicanalista ThamyAyouch:

“Trata-se de saber a quem está destinado o trabalho do/a psicanalista, enquantoclínico/a e enquanto teórico/a: ao/à analisando/a ou a ou à ordem social? A clínica dasingularidade subjetiva isentaria a psicanálise de uma reflexão sobre as implicaçõessociais e políticas dos seus dispositivos teóricos e práticos?” (AYOUCH, p. 29, 2015).

 

REFERÊNCIAS

AYOUCH, T. Psicanálise e Homossexualidades: teoria, clínica, biopolítica. Editora CRV,2015.GLÓRIA, A. Cuidado com mulheres lésbicas: prática clínica em psicologia. EditoraUICLAP, 2021.

 

Texto de Luísa Cortelletti ZeniGraduanda em Psicologia (PUCRS)Membro Associado do ESIPPMembro do Núcleo de Diversidade Sexual do VIVER

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Obesidade como sintoma

A Organização Mundial da Saúde considera a obesidade uma doença multifatorial que engloba não só dimensões biológicas, mas também, questões sociais, culturais e/ou emocionais. Ela pode se manifestar e

Comments


bottom of page